Christmas Carol (1971)


Chuck Jones é um nome que deveria ser conhecido de vocês. Caso não lembrem, ele trabalhou como escritor, produtor ou escritor dos curtas dos Looney Tunes, além de uma série de Tom e Jerry (se pesquisar por Tom and Jerry Chuck Jones você vai soltar um "aaaaahh sim, eu lembro"), além de, claro, da versão animada de Como o Grinch Roubou o Natal.


Pois bem, Chuck produziu esse curta que foi dirigido por Richard Williams, que provavelmente falarei mais ano que vem.


Sim, é Thief and the Cobbler. Aguardem.
...dessa vez eu resenho mesmo, tá.
...sim, Grilo Feliz 2, tá na fila.
...SIM OS VÍDEOS SOBRE FANTOCHES BRASILEIROS TAMBÉM
POKÉMON TAMBÉM

PODEMOS FOCAR NO AGORA? NATAL ETC?


Então falemos de Christmas Carol de 1971.

Snow White Christmas


Pense em um especial de Natal ruim. Você tem 30 segundos.

...já pensou?

Qual foi? Aconteceu de Novo no Natal do Mickey? Esqueceram de Mim 3? Sequestro de Natal? Natal em Família? Esqueceram de Mim 7: Macauley Cookie vs. Predador?


Seja lá qual for, eu tenho certeza de que não foi pior do que Snow White Christmas. Além de nos fazer pensar naquele filme de 54 e na música que supostamente deveria estar tocando em todas os estabelecimentos da Lojas Americanas e Riachuelo ao invés de Jingou Bel versão pagode, essa animação feita pelo mesmo pessoal que fez Ghostbusters, Bravestarr, Fat Albert e Jason of Star Command não só consegue fazer uma versão Bootleg™ de Branca de Neve, como resulta num especial incrivelmente monótono e com tanta ligação com o Natal quanto Dança do Pinguim tem com qualquer coisa relacionada a ensino bíblico.

Ah sim, Filmation também fez He-Man e She-Ra.


Enfim, vamos nos aventurar nesse mar de bosta.


Aconteceu de Novo no Natal do Mickey




E COMEÇAMOS MAIS UM NATAL, MEU BANDO DE GAIVOTAS CHOCOLATANTES!

Essa época de amor, de paz, presentes, luzes, comida, e aguentar parentes chatos em festa perguntando se tu já tem um emprego ou se ainda passa o dia todo no computador falando de bonecas e que é por isso que tu ainda tá sem namorada!

HOORAAAY!


Vamo terminar o que foi começado ano passado, com a sequência de Aconteceu no Natal do Mickey!
Eu poderia resenhar um filme mais natalino como Duro de Matar, mas é o que tem pra hoje.

Ace Attorney


Uma das coisas que mais tem alimentado portais, canais, blogs e qualquer outra mídia que se denomine "nerd" é quando sai um trailer ou foto ou filme novo, eles se debruçam a procurar referências e easter eggs.

Ok que são coisas divertidas pra se olhar e que normalmente aumentam o fator replay de um filme, mas o que eu tenho sentido é que muitas vezes isso tem sido usado como fator mais importante pra decidir se um filme é bom ou ruim.

"Nossa tem muita referência só quem é fã de verdade vai entender, não é um filme feito pro público normal é só pro fã que lê os quadrinhos". Toda vez que eu ouço algo assim eu tenho vontade de esganar um crocodilo. É típico de alguém que quer se auto afirmar numa tribo e pra isso usa trivia ou referências obscuras pra dizer o quão bom um filme baseado em algo é.

Aí acaba aparecendo alguém dizendo que Batman vs. Superman é bom só pelo fanservice.

Referências em um filme devem ser bem dosadas, ter um propósito. Se The Muppets de 2011 não tivesse as referências (tanto óbivas quanto obscuras) bem dosadas talvez as cenas emocionantes e o próprio protagonista (Walter) não fossem tão efetivos. O mesmo vale pra Gokaiger.

Mas meramente jogar referências e dar um tom ou roupagem levemente nova num caldeirão dificilmente dá certo.

O que nos leva ao live action de Ace Attorney.

Kapan Komenta #14 - Ducktales e Face Characters


Como tá se saindo o novo DuckTales? O que acontece entre os personagens na Disneyland e que histórias eles tem pra contar dos bastidores? Eu comento tudo aqui ó